Quinta-feira
19 de Julho de 2018 - 
Atuação em Volta Redonda e região

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Juliana Kalichsztein expede decisão para apreensão de seis veículos para Conselho Tutelar em Caxias

A juíza Juliana Kalichsztein, da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso, de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, expediu uma decisão liminar de busca e apreensão de seis carros “em boas condições” junto ao município para o Conselho Tutelar na cidade. A magistrada ressalta que a prefeitura descumpriu “injustificadamente” o Termo de Ajuste de Conduta (TAC) assinado com o Ministério Público. Leia também: STF mantém obrigação de planos pagarem SUS quando usuários precisarem recorrer à rede pública Ministro do STJ e desembargadores do Rio debatem o ativismo judicial No documento, a juíza destaca a situação precária dos seis Conselhos Tutelares e explica que os veículos serão usados pelos conselheiros para visitas visitas domiciliares às famílias e acompanhamentos. “Por duas vezes, o referido município assumiu, junto ao Ministério Público, nos termos da Lei, e com força executiva, compromissos, a fim de ajustar a prestação do serviço público às determinações legais, com o único objetivo de atender, com respeito e dignidade, as crianças, os adolescentes e suas famílias”, descreve Juliana na decisão liminar. Citados na ação, o município e o prefeito Washington Reis não responderam à Justiça. A magistrada afirma que a prefeitura não cumpriu obrigações do TAC para sanar problemas como carência de pessoal administrativo e técnico, irregularidade do fornecimento de material de escritório e de consumo, ausência de veículos para atender as demandas institucionais. “Em fiscalização, o MP alega, em especial, ter constatado que os veículos fornecidos aos Conselhos Tutelares de Duque de Caxias são imprestáveis para o serviço, sendo iminente o risco à vida ou integridade física dos funcionários dos Conselhos, dos Conselheiros e, também, das crianças e adolescentes por eles conduzidos”, disse a magistrada. Ela acrescenta que “a demora na prestação da tutela jurisdicional, poderá acarretar dano irreparável ou de difícil reparação às crianças, aos adolescentes e suas famílias, privados da sua justa expectativa quanto à prestação de um serviço público eficiente e de qualidade por parte dos seis Conselhos Tutelares que compõem a comarca de Duque de Caxias”.
Visitas no site:  49284
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.